Adolescência e Sexualidade

A adolescência é a fase do desenvolvimento humano que marca a transição da infância para a idade adulta e é caracterizada por mudanças a diversos níveis: alterações do corpo, dos pensamentos, dos ideais, um período de descoberta de si próprio e dos outros que o rodeia, momentos onde as expectativas que recaem sobre cada um dos jovens se tornam maiores e onde, na realidade, palavras como “responsabilidade” e “independência” se tornam presentes no dia-a-dia.

De uma forma optimista, poderíamos cair na tentação de sentir que é uma fase fácil, onde tudo acontece da melhor forma, onde se começa a ter mais liberdade, existindo a hipótese de fazer o que se quer e onde as palavras do adulto não fazem muitas vezes sentido. Na realidade, toda a liberdade acarreta consequências, escolhas, responsabilidades, e deste modo, esta fase de desafios é por si só complexa e delicada.

A descoberta de si próprio, o lidar com as alterações do corpo, o descobrir o interesse no sexo oposto, o lidar com opiniões diferentes das nossas, o vivenciar situações em que nos sentimos diferentes dos outros e por vezes mesmo rejeitados, torna esta conquista da adolescência uma etapa árdua e em diversas ocasiões bastante dolorosa.

Se dedicarmos um pouco da nossa atenção aos meios de comunicação, constatamos que desde as revistas às telenovelas, toda esta vivência da adolescência é quase como que representada diariamente. Os jovens tomam contacto com temas como a droga, o álcool, o sexo, as doenças sexualmente transmissíveis, a gravidez na adolescência, etc.. Esse contacto é feito muitas vezes de uma forma quase que leviana, e sem se aperceberem da importância de cada um deles, das suas consequências e principalmente da forma como se podem proteger e avançar para novas experiências de uma forma segura.

Conhecendo as mudanças que estão presentes neste período das nossas vidas, e sabendo que muitas das vezes se fazem coisas para as quais ainda não se está preparado, torna-se também difícil para os pais lidar com os filhos adolescentes. Como se sentem os pais quando os filhos pedem para ir a uma festa na próxima 6ª feira à noite? Mil pensamentos lhes ocorrem e a realidade de que não os podem proteger para sempre é assustadora. No entanto, proibir ou tentar esconder o jovem destes contextos revela-se muitas vezes ineficaz e prejudicial.

É durante a adolescência que os jovens dão o primeiro beijo, têm o primeiro namoro, iniciam a sua vida sexual. E desenganem-se se ainda pensam que até então é algo que os jovens nunca pensaram nem nunca se questionaram, simplesmente a vontade de ser a vez deles de começar tornou-se presente.

É a altura de se sentirem apaixonados, atraídos pelo outro, de sentirem vontade de estar com o elemento do sexo oposto, de se sentirem aceites, de dar significado às sensações físicas que passaram a sentir e de iniciar realmente a sua vida sexual. É nesta descoberta do outro, nas brincadeiras de ambos, nas “curtes” que cada jovem se sente mais seguro, mais aceite, mais confiante de si e que percebe quais as suas capacidades. Começa a entender que é algo que se partilha a dois, e principalmente que tem a oportunidade de ver que a vontade própria, por si só, já não é suficiente.

É uma fase com duas caras! Quando as coisas correm bem, sentem-se amados e valorizados, começando a criar uma auto-imagem segura e confiante. Se por outro lado, estas coisas correm menos bem e se sentem desvalorizados, iniciam também as dúvidas sobre si próprio, tendem a sentir-se rejeitados, inferiores e a desenvolver mesmo uma imagem errada de deles mesmos acompanhada por uma baixa auto-estima.

Mas se toda esta experiência da sexualidade é algo recheada de coisas boas e más, se é algo que faz parte da auto-descoberta e do desenvolvimento como pessoas, se é algo que marca o futuro de cada jovem, não só ao nível da própria identidade, mas na forma como se irão relacionar com os pares daí em diante, podemos deixar os nossos jovens sozinhos neste processo? É fundamental existir um apoio para estes jovens, criando-lhes oportunidades de falar/conhecer as mudanças físicas que vão ocorrer, de ouvir experiências de outros pares, de desenvolver conceitos, como sendo, o da paixão, o do amor, e de enraizar questões como amizade, respeito, relação e compromisso.

Quando abordamos o tema da sexualidade não é apenas falar da parte biológica, falamos do início do contacto com os outros, falamos também de expectativas que cada um cria sobre si próprio, sobre a forma como vai ser aceite, como vai ser capaz de conquistar o que pretende. Pensamos ainda na pressão sentida relativa ao desempenho, à desilusão se algo corre mal, ou simplesmente ao sentimento de rejeição quando não se é correspondido.

Estes aspectos acabam muitas vezes por passar mais despercebidos, pois falar sobre os contraceptivos já vai sendo algo mais casual, falar dos receios e preocupações do momento, falar da experiência menos boa, do que sentimos quando o outro não nos escolhe, é algo mais complicado. É assim importante, ajudar os adolescentes a aprenderem a lidar com as próprias emoções, a perceber o que estas lhes dizem, levando-os a falar sobre as mesmas. Uma ideia importante a passar-lhes é que, quando iniciamos uma etapa nova, quando nos deparamos com algo que queremos muito, ou apenas quando algo é importante para nós, é natural sentirmos ansiedade. É também frequente as coisas acontecerem diferente do desejado sendo comum por vezes fecharmo-nos dentro de nós porque tudo aconteceu de forma “errada”.

A adolescência é caracterizada por sentimentos ambíguos, por dúvidas, por medos, por expectativas… nem sempre quando se é adolescente, temos aquele corpo que desejamos, ou não temos aquele à vontade para conquistar o grupo, nem sempre conseguimos despertar a atenção do outro como gostaríamos… por isso, é importante manter a calma se de repente tudo parece correr mal, provavelmente, o amigo que se encontra ali ao lado, sente precisamente o mesmo, apenas também não consegue falar sobre isso.

Assim, a adolescência e toda a descoberta que é feita por cada um, tanto ao nível da sexualidade, como ao nível da pessoa que se quer tornar, não tem de ser algo tão difícil, nem tem de ser um percurso solitário. Os amigos sentem o mesmo! E podem sempre encontrar alguém com quem falar sobre o assunto.

 

Carla Costa

Psicóloga

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*