Primeiras amizades – Como apoiar os filhos

É na primeira infância que as crianças adquirem as competências base das suas aprendizagens futuras, nomeadamente no que toca à gestão dos seus afetos e ao estabelecimento das suas relações interpessoais.

A capacidade de criar laços e de estabelecer ligações com os outros começa desde muito cedo, do contato com as pessoas do círculo familiar mais intimo, que são a base das primeiras relações e que são essenciais ao desenvolvimento psicológico e social de cada individuo. No entanto também a entrada para o jardim-de-infância é um marco muito importante no desenvolvimento emocional, uma vez que é neste contexto que a maioria das crianças começa o seu processo de socialização fora do ambiente familiar – é aqui que começam a construir as primeiras relações com o seu grupo de pares.

Estas amizades com meninos e meninas da mesma idade são fundamentais para o desenvolvimento saudável e equilibrado de cada um, uma vez que permitem que as regras sociais sejam adquiridas através da brincadeira, de uma forma lúdica e inconsciente, em interação com os outros. È através dos jogos com os “amiguinhos” que cada criança vai aprendendo ou consolidando a noção de ganhar e perder, decerto e errado e que vai desenvolvendo a capacidade de compreender e aceitar o ponto de vista dos outros. É também neste contexto que vão construindo a sua autonomia pessoal e que vão aprendendo a importância de partilhar e de compartilhar brinquedos, experiências e a atenção da educadora.

Desta forma, em interação com o grupo de pares, a criança começa a estabelecer os limites do seu próprio comportamento e aprende a relacionar-se de uma forma positiva e construtiva com eles. È também em contexto relacional que aprende a lutar pelas coisas de uma forma ajustada, a tolerar a frustração e a desenvolver estratégias de comunicação verbal e não- verbal.

Estas várias aprendizagens dão-se ao longo do tempo, e deve dar-se espaço à criança para que possa aprender a encontrar o equilíbrio das suas relações gradualmente, muitas vezes, por tentativa e erro, até que encontre o seu lugar no grupo e defina a forma como interage e como se comporta nas situações sociais – e é desta forma que vai dando inicio à construção da sua personalidade.

A capacidade de estabelecer relações de amizade nas crianças vai mudando ao longo do seu crescimento de acordo com as várias características do seu desenvolvimento. Até aos dois anos a maioria demonstra dificuldade em fazer amigos, principalmente se isso implicar partilhar com estes os seus brinquedos. A partir dos dois/três anos, a criança vai percebendo as vantagens de brincar com outras crianças, começando inicialmente por preferir brincar com uma de cada vez..

As crianças que frequentam o jardim-de-infância demonstram maior facilidade em assimilar as regras sociais e afetivas e adquirem as noções de respeito pelas necessidades e direitos dos outros mais rapidamente.

 

O IMPACTO DOS PAIS NAS NOVAS RELAÇÕES

 

Os pais são os primeiros modelos relacionais dos filhos uma vez que são as pessoas que as crianças observam e imitam desde pequeninos. É com os pais que as crianças aprendem a fazer amigos e a integrarem-se nos meios sociais à sua volta: crianças cujos pais têm um circulo de amigos alargado e com o qual despendem bastante tempo tendem a procurar fazer amigos com vais vontade do que crianças que vêm de famílias com um grupo de amigos mais restrito.

Para além da aprendizagem pelo exemplo, os pais assumem um papel importante na forma como incentivam os seus filhos a interagir com as outras crianças não só através da procura de atividades nas quais lhes permitam o contacto com o seu grupo de pares como também na forma como supervisionam e acompanham as brincadeiras dos seus filhos. Os pais têm um papel fundamental na aquisição das regras sociais e no estabelecimento de limites aos comportamentos dos seus educandos.

Os pais devem ainda fomentar e dar exemplos de brincadeiras construtivas que possam ser feitas em grupo, com outras crianças, e que permitam o estabelecimento de laços de afeto entre elas. O tempo de qualidade que os pais têm junto dos filhos é de extrema importância enquanto momento de partilha de experiências e de transmissão de exemplos construtivos, positivos e ajustados.

 

 

 

AMIGOS IMAGINÁRIOS

 

É frequente para muitas crianças brincarem e conversarem sozinhas (solilóquio) como se estivessem na companhia de uma amigo, deixando os pais preocupados. Os amigos imaginários podem surgir enquanto amiguinhos invisíveis ou bonecos com os quais as crianças interagem como se fossem humanos, atribuindo-lhes pensamentos, comportamentos e sentimentos, tais como os demais amigos.

Por muito que pareça preocupante, o amigo imaginário incentiva o desenvolvimento criativo, emocional e intelectual uma vez que através das brincadeiras de faz de conta a criança vivencia sua realidade, elabora conflitos, angustias e procura encontrar a solução para as questões com que se depara.

A maioria das crianças vai reconhecendo a diferença entre a fantasia e a realidade sem ser preciso a ajuda dos pais, e estes não se devem preocupar excessivamente desde que este “amigo” não impeça os seus filhos de brincar e de se relacionar com outras crianças reais e desde que este amigo não se mantenha para além da fase da pré-adolescência. Nestes casos pode ser aconselhável procurar a ajuda de um especialista.
Algumas ideias para fomentar as relações de amizade das crianças:

Passe tempo de qualidade com o seu filho, valorizando os comportamentos e as reações sociáveis e ajustadas;

– Procure ensinar através do exemplo, demonstrando ao seu filho como começar e cultivar amizades, valorizando o seu grupo de amigos e os momentos que têm juntos;

– Dê exemplos de comportamentos que envolvam o conceito de amizade para que a criança tendo noção do que pode ou não esperar de um amigo;

– Organize programas de fim-de-semana nos quais o seu filho possa estar com os amigos ou conhecer pessoas novas. È muito importante que não force possíveis relações de amizade do seu filho, mas que lhe dê espaço para poder escolher os seus próprios amigos;

– A não ser que seja mesmo necessário, não interfira nas brincadeiras entre o seu filho e os amigos. È fundamental que este aprenda a resolver os pequenos problemas que vão aparecendo no decorrer das brincadeiras;

– Nos momentos de convívio evite a televisão e opte por atividades de grupo: para além de desenvolverem outras competências como a imaginação e a criatividade, também fortalecem as relações interpessoais.
A forma privilegiada das crianças aprenderem é através das suas brincadeiras, por isso procure atividades lúdicas, que lhes permitam explorar as regras e os limites da convivência com os outros.

Ser sociável desde cedo ajudará o seu filho a ter uma vida social ativa e a desenvolver as suas competências de relação e de comunicação com os outros. Deste modo estará a contribuir para que se torne um adulto mais seguro, com melhor autoestima, e mais preparado para enfrentar situações de interacção/exposição social.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*